Beleethe Kheldorna

Uma mulher de semblante decidido, sorrisos delicados e duelos implacáveis.

Description:

Nome: Beleethe Kheldorna
Idade: Entre 22 e 25 anos.
Raça: Humano (Iluskano)
Cabelos: Ruivos
Pele: Branco
Altura: Na casa de 1,63
Divindade: Tyr
Classe: Paladina
Profissão: Campeã do Torneio da Feira do Aluguel
Origem: Inverno Velado, Costa da Espada Norte
Localização: Yartar, Fronteira Selvagem
Ligações: Gangnoll, Os Aventureiros.

Bio:

Beleethe Kheldorna vem de uma família muito poderosa de uma linhagem ancestral de Inverno Velado. Desde cedo fora criada como uma dama perfeita na esperança de seu pai que quando completasse a maioridade sua mão fosse ofertada para um regente de Cormyr, assim os Kheldorna teriam influência em outro lugar que não fosse a Costa da Espada.

Então Milady Beleethe foi trancafiada dentro de sua própria propriedade e feita refém da vontade de seu progenitor: Aprendeu da mais fina etiqueta, andava no mais caro vestido, portava as mais belas joias e agia como a mais completa dama. Mas essa não era Beleethe de verdade.

Um dia esgueirou-se para fora de seu quarto driblando toda a guarda de seu pai e fantasiou-se de cavalariço: Era sua liberdade.

Interessava-se por espadas pois lia muito sobre histórias de heróis e grandes desafios e epopeias épicas, então prontamente foi assistir a aula de esgrima de seus irmãos mais velhos, e num impulso desafiou o instrutor de esgrima, que caçoou de um “mísero cavalariço” desafiando-o, e aceitou com intuito de ridicularizá-lo.

Por algum jeito, Milady Beleethe ganhou do instrutor de esgrima… O melhor da região. Mas com um movimento mais vigoroso de braço, sua peruca caiu e todos viram quem ela era.

Seu pai ficou furioso e mandou que a trancassem em seu quarto, e Milady Beleethe adoeceu… Adoeceu tão severamente que ficou entre a vida e a morte, e sem saída, seu rigoroso pai teve de ceder um pouco visando o bem estar da filha: Permitiu que ela praticasse esgrima quinzenalmente.

Beleethe então passava os catorze dias antes do treino destruindo a mobília de seu quarto com sua espada de treino, e isso a divertia muito: Essa era ela.

Quando completou a maioridade, seu desejo por conhecer o mundo nascido com as histórias de heróis veio à tona, e ela foi reprimida pelo seu pai, mas não obstante, ela impôs sua vontade, e abriu caminho derrotando a guarda do castelo até a saída, sabendo que quando virasse as costas nunca mais poderia voltar – E não voltou.

Viveu como pedinte no primeiro ano – Claro, a antiga Milady nunca havia aprendido coisas básicas como trabalhar ou administrar dinheiro. E foi aí que teve contato com a pobreza, desigualdade e toda essa injustiça que permeava o mundo. E foi nessa fase também que viveu a maior dor de sua vida: Voltava só em um beco escuro no auge do inverno, tremia de frio e de medo. Foi abordada por um grupo de marinheiros, enforcaram-na com um garrote, rasgaram suas roupas em trapos. Morderam, rasgaram, humilharam, urinaram. Defloraram…

Semi morta, Beleethe rogou pela clemência de alguém, rogou por sua vida, rogou pela justiça… E viu um homem no beco: Ele usava uma faixa nos olhos e não tinha uma das mãos, usando um gancho como essa função. Este, veio até ela, enfiou a mão em seu peito e retiro uma coisa dourada e disforme, que brilhada, e retirando uma balança de mercador de um saco que carregava nas costas, ele pesou aquela coisa dourada… O peso dela se equiparou a nada, e ele soprou-a de volta em Beleethe.

Depois desse evento, Beleethe acordou sendo cuidada por acólitos de um templo de Tyr, e interpretando sua nova vida como um chamado divino, decidiu seguir o clero também. Devido a sua educação e oratória impecáveis, logo subiu na hierarquia da igreja, e se tornou uma das mais importantes juízas da região.

Era juíza, júri e carrasca em casos de estupro.

Mas com o tempo, sentiu em seu íntimo que a justiça não devia ser algo punitivo, só aplicada na frente de um tribunal quando o indivíduo já havia falhado, mas sim algo que deveria ser semeado no coração das pessoas: A justiça deveria ser algo que devia ser plantado e cultivado, não aplicado em última instância.

Abandonou o clero e voltou novamente a sua vida humilde, agora com um propósito: Semear e trazer a justiça pra quem realmente precisa dela.

-

Vive atualmente como uma figura de caridade na Feira do Aluguel ajudando quem é vítima do governo opressivo do Barão Marítimo.

Beleethe Kheldorna

Manual Prático de Como Ser Um Herói – Vol. 1 Pedro_Scarpa